quarta-feira, agosto 22, 2007

Não há nada como um jornalismo carnavalesco!

Quem se dedica de alma e coração à sua actividade profissional, abdicando de princípios, de valores, de respeito por si próprio e ainda com disponibilidade para se fantasiar para parecer bem, merece o meu aplauso e ...sorriso complacente!

A vida não está fácil, a concorrência é feroz e ou somos convincentes, ou comem-nos ao primeiro descuido.
Quando a jornalista da RTP1 Márcia Rodrigues, se mascarou com véu na cabeça, vestido comprido e mãos escondidas por luvas, para entrevistar em Lisboa, o embaixador do Irão, deu-nos um péssimo exemplo da forma como nos devemos relacionar com culturas diferentes.

As sequelas são evidentes e só entendi isso depois! Uma entrevista de Manuela Moura Guedes a uma criatura que usava o prato da sopa no lábio inferior, deu no que deu e as frequentes viagens de Miguel Sousa Tavares pelo deserto, acamelou os seus comentários futebolísticos!

ehehhe!! São os ossos infernais do ofício!

47 comentários:

Maria disse...

Terrível sentido de oportunidade.....
Bato-te plamas: calp clap clap

Abraço fresquinho

wind disse...

Excelente e oportuno post!
Parab�ns:)
Somos uns tristes em fazer figuras rid�culas.
beijos

asdrubal tudo bem disse...

Como é que é possível o que essa tipa fez é que eu acho inacreditável é de uma tacanhez moral assustadora

NiNa disse...

Heheheheh
Muito bom amigo Belzebu!!
Ainda havia de querer ver a xô d. Marcia Rodrigues a entrevistar uma comunidade nudista...será que tb se valia de uma parrita e lá ia ela?
Bjinhos

Cláudia disse...

Ui...vens ca pica toda...e a destilar veneno :D

Beijo

Rita disse...

É de facto ridículo, será que ela acredita que se fosse o contrário a entrevistadora do Irão áa vestir um fato saia casaco com um top com um generoso decote???
- Ora deixa cá ver o que é que vou vestir hoje??? Ah! É verdade vou entrevistar o Papa. Deixa cá vestir este hábito de freira tão catita...
Jokas

CORCUNDA disse...

Boa!
Esta entrevista foi uma autêntica fantochada mediática.
Que quando vamos a um país estrangeiro nos comportemos e actuemos de forma a não ferir susceptibilidades, costumes e tradições locais, aceito plenamente e concordo, o contrário nunca. Se alguém tivesse que mudar a postura e apresentação se fosse caso disso, teria que ser o convidado e nunca a entrevistadora que está no país dela.
Abraço.

Carracinha linda! disse...

Não te escapa nada! Sempre atento!!!

peace_love disse...

Olha, são os ossos do oficio! hehe

Odysseus disse...

Patético, lá obrigam a seguirem os seus costumes e cá na nossa terra temos que fazer o mesmo quando eles próprios não o fazem? Somos uns lambe-botas que damos palmadinhas nas costas para estarmos bem com todos, se o sr não queria a entrevista de outra forma, paciência...fizessem por telefone

Isabel-F. disse...

"....
para entrevistar em Lisboa ... "


muito gosta o português de lamber o cu ao estrangeiro ...

o eterno complexo de inferioridade ...

bjs

inês disse...

A vida não está fácil... o mercado está agarrido!

**:)))))

Sophiamar disse...

Muito bem visto! Não vi a entrevista mas mereces o meu aplauso.Não te deixes acamelar nem tenhas papas na língua. Eu irei tentar fazer o mesmo. Afinal no inferno já nós estamos.
Beijinhos

mymind disse...

hehehe!
boa, lol
bjts

adrianeites disse...

para mim aquilo era um fetiche da Márcia!

aproveitou...

o jornalismo está cada vez pior!

cp'a

Meg disse...

Pois a mim, que não vi a entrevista, mas que dela soube, deixou-me envergonhada. E tratando-se de uma jornalista por quem tinha (não sei se tenho ainda) uma certa admiração, ainda mais me magoou. De quem foi a ideia de tamanha subserviência?
Isto é jornalismo? Sério? Ou palhaçada?
Responde-me, se souberes, Belzebu.
Um abraço

hashmalim disse...

Realmente é dificil suportar ver as mulheres cobertas e com luvas etc...

Aqui na França vê-se muito, mulheres encapadas e com luvas...dificil aceitar ver tanta submisão...

Mas, uma profesional jornalista se vestir dessa maneira se submetendo as regras de outro pais so é valido, se a jornalista estiver no pais do embaixador e se foi na embaixada e não em outro local de Lisboa, ai,ai,ai é compreensivo, sem ser, sendo sem ser...

Como você diz são os ossos infernais do oficio MESMOOO!

Alias muito bem empregada a palavra INFERNAL nessa situação!.

P.S: Gosto muito de suas escolhas musicais.

o guardião disse...

Comparações do Belzebu, que além da crítica nos fazem rir. O bom humor ajuda a suportar estes disparates e os seus autores.
Cumps

Marta disse...

Assim à primeira vista pensei que tivesse ido entrevistar os tres pastorinhos! :)

Ridiculo!

Sulista disse...

É uma triste! Estes gaijos são todos uns tristes!!! MAs nós estamos cá tb para lhes
lembrar isso constantemente! :-D

Bjs sulísticos, Voltei!

White_Fox disse...

Eheh!
A senhora teve uma TIF (Tentativa de Integração Falhada). Ela bem que tentou, mas não consultou a Fátima Lopes antes da entrevista...

sofialisboa disse...

voltando ao assunto da marcia rodrigues , achava que já se tinha dito tudo, apenas posso dizer que se ela estava mesmo na embaixada do irão,logo território deles, tinha mesmo que se vestir da forma que estava. só tenho pena é que ninguém fale no conteudo da entrevista e só se fale da forma como ela estava vestida. falar mal é facil não é, quando não se sabe sofialisboa

J.G. disse...

Olá!

Como venho fazendo desde que regressate, sempre que aqui entro passo pelo primeiro pelo mundo e lá tento descobrir o paradeiro de certas ilhas tropicaisonde as peixas vêm comer à mão.
O que descobri eu, hoje? a razão do mundo ser tão redondinho e estar sempre de costas voltadas aos portugas.

Agora, depois desta importantíssima introdução, tenho a palrar o seguinte:
Constou-me aqui pelas entranhas da crosta que o Fernabo Santos foi despedido por não saber arranjar os fusíveis do balneário. Será que há mais um que não é inginheiro(do Isel?

Quanto ao MST, uma palavra... besta! (leia-se o que lá está, s.f.f.!)

Um abraço da caverna (cada vez mais funda...)

C Valente disse...

Já se veio justifica , mas não covenceu, a saloice á solta
saudações amigas

Diabba disse...

Subserviencia... que coisa tão triste.

Compreenderia se fosse no país dele, pois "em Roma sê romano"... cá, aquela fantasia não tem explicação!

beijos enxofrados

Era uma vez um Girassol disse...

Bem observado e criticado!
Para te refrescares do calor do teu inferno, já lá está, no girassol o lugar ideal...
Não será igualmente um inferninho?
Bjs

C Valente disse...

saudações

zé lérias disse...

Há gente que não tem nenhum sentido do ridículo.
E Portugal está cada vez mais infestado desse tipo de pessoas sem coluna vertebral...
Os tempos não vão nada bons para postar decentemente, não achas?
Recebe um abração, meu caro e "velho" amigo.

Belzebu disse...

Gostaria de fazer um pequeno esclarecimento à amiga Sofialisboa! A embaixada do Irão em Lisboa, quando confrontada com a estranheza por tal atitude da Márcia Rodrigues, informou que nenhumas condições foram colocadas pelo embaixador, para conceder a entrevista e ainda acrescentou que considerava ridículo se tal acontecesse!

Quanto à entrevista e ao seu conteúdo, não me merecem qualquer comentário e muito menos um post infernal, tal a banalidade dos argumentos e o pouco interesse de um discurso mais do que conhecido e com o qual não me identifico de todo!

Um abraço infernal!

al cardoso disse...

Se a entrevista tivesse sido dentro do pais deles va la com os diabos, agora na nossa propria terra; francamente!!!

Um abraco monarquico para as "profundas".

Miudaaa disse...

Arguto, Engenhoso, Brilhanteee!!!
Excelente sentido de oportunidade.
Gostei da realidade dos factos.

Um beijo da miudaaa

Meg disse...

Ai o embaixador disse isso? Ainda por cima?
Não sabia... afinal é mais grave do que eu pensava. Não que pensasse que houve exigências,mas sugestões, até achava possível. Mas se nem isso, que vão todos para o inferno fazer-te companhia.
Com um abraço meu

C Valente disse...

Tens raz�o, droga � droga e � tanto a que ingerimos como a que vemos
bom fim de semana
sauda�es amigas

Mocho Falante disse...

E depois admiram-se de eles andarem para aí a largar bombas em todo o lado, andamos todos a toque de caixa com a cultura do tapa corpos...francamente

abraços

SILÊNCIO CULPADO disse...

Concordo com tudo o que aqui é relatado tendo em conta o que está implícito. Enquanto tivermos capacidade de análise e força para reavaliarmos a cada instante as ameaças às nossas liberdades, teremos todas as condições para não nos deixarmos silenciar.
Este espaço passou a fazer parte do meu roteiro.

greentea disse...

na altura fiz um post sobre essa "fardeta" da Márcia.
Para além de tudo o mais chocou-me aquela coisa das luvas pretas de cabedal. o sapato fechado, a calça, o casaco comprido...o véu preto, etc etc
que absurdo !

Catarino disse...

Vejo que regressaste das férias cheio de vontade....
è assim mesmo...
Um abraço grande amigo

Peter disse...

Olá Belzebu. A "bluegift" já tinha abordado este assunto, mas é sempre um prazer ler a tua perspectiva, pela forma sarcástica como sempre o fazes.

migvic disse...

Falta de senso.

Opintas/Bernardo Kolbl disse...

Ainda se andassem todas assim...
Bom dia!!! Cheguei, carai.
Abraço.

Andreia do Flautim disse...

Há cada figura!

vermelhinha disse...

Caro Belzebu, um beijo grande e vou mesmo para as Maldivas para te contar como é ou foi.

Espero que continues a espalhar os teus abraços infernais.

Até ao meu regresso.

J.G. disse...

ENTÃO? NÃO SE TRABALHA DESDE 4ª FEIRA?!

MAS QUE É ISTO?...

Um abraço desde a caverna fétida da crosta.

Lu.a disse...

Tá armada em jornalista da CNN!!

Nero disse...

Vocês são todos de esquerda e curiosamente todos islamófobos.
Boa tarde.

Gioconda disse...

Tu és unico... eu não posso deixar de passar aqui, alias quando vejo certas noticias penso logo que vai haver aqui um comentario pertinente e acutilante, ehehehe

Lusófona disse...

Qual a necessidade disto?? Se não estivesse com um decote a mostrar as mamas, já estava ótimo... Ainda bem que o Lula não sabe falar inglês, nem outro idioma qualquer (risos) senão, seria outro puxa-saco a receber diplomatas estrangeiros a falar a língua deles e sabesse lá mais o quê... no nosso país quem nos visita é que tem de se enquadrar aos nosso costumes, ora bolas... respeito cabe em qualquer lugar e situação, mas os exageros...

Beijokas