domingo, janeiro 27, 2008

Delitos de opinião!

Há causas e valores dos quais não estou minimamente disponível para abdicar. Tenho esse péssimo hábito de opinar e de partilhar isso com os outros, independentemente de eles concordarem ou não! É assim que tenho feito grandes amigos e é dessa mesma forma que alguns outros, se esfumam nas suas incapacidades de aceitar as diferenças.
Ter opinião pode ser tudo menos crime, ainda que isso incomode, invada convicções profundas, sejam elas politicas, religiosas ou quaisquer outras.

Mas eu sou eu e remeto-me a um universo restrito de partilha de opinião e os riscos são controlados e assumidamente descurados. Apesar dos meus telhados de vidro, sinto-me no direito de estilhaçar o dos vizinhos, sempre que o deles se mostrar merecedor de uma boa pedrada.

Amanhem-se e se for caso disso, mudem!

Uma simples notícia, como tantas outras que nos fazem indignar, esteve na base deste post. Um jornalista de 23 anos que no Afeganistão foi condenado à morte, por ter escrito um artigo em que questionava a forma como o Islão tratava as mulheres. O tribunal islâmico considerou insolente e blasfemo o artigo de opinião de Syed Párvez Kambakhsh, e considerou insultuosa para o Islão, a interpretação dos versículos do Corão.

Apesar da denúncia dos Repórteres Sem Fronteiras, da Federação Internacional de Jornalistas e das principais associações de imprensa Afegãs, este jovem condenado pelo tribunal de Mazar-al-Sharif, aguarda o cumprimento da sentença, por ter uma opinião!

Posso lá eu deixar de esbracejar, denunciar e irritar-me com isto?

Aquele abraço infernal!




33 comentários:

papagueno disse...

Será que foi essa a democracia que os americanos conquistaram para o Afeganistão?
Direito à indignação sempre!
um abraço

PintoRibeiro disse...

E eu apoio, mesmo que não pareça.
Bom domingo e um abraço K'mrd.

Casemiro dos Plásticos disse...

também sou assim, é triste o que se passa com esse jovem afegão , enfim...
abraço

Olá!! disse...

Incriveis as injustiças que se cometem por esse mundo fora...
Abraço

Alien8 disse...

Caro Belzebu,

Não podes tu, nem eu, nem ninguém. Aquilo de que falas é pura selvajaria, mais nada, e tem que ser urgentemente erradicada. A do Islão, mas também a do Ocidente, que não pode dar lições a ninguém. Só que, neste caso, é do Islão (ou pseudo-Islão, como dizem muitos muçulmanos) que se trata.

Um abraço alienígena.

Teté disse...

Mais do que a blasfémia, esses barbudos fundamentalistas islâmicos estão a defender uma coisa de extrema importância: que o poder não lhes saia das mãos!

Se deixam hoje um dizer que as mulheres deviam ser mais bem tratadas, amanhã se calhar vem outro dizer que queria saber ler mais do que o Corão, qualquer dia dão com as mulheres a irem ao cabeleireiro...

É mais simples calar as vozes dissonantes logo à partida! E manter o clima de medo!

A nossa indignação não serve de muito aos povos oprimidos, a não ser para divulgar a crueldade dos extremistas. E, simultaneamente, evidenciar o pouco caso que os países ocidentais dão a essas situações já "corriqueiras"!

Abraço terreno!

walter disse...

Ou bem somos livres ou bem não o somos.
Abdicar de falarmos como entendemos? Nunca.

Mocho-Real disse...

É claro que num país fundamentalista e em que o próprio livro sagrado pelo qual se regem faz referência às mulheres como sendo "a maior calamidade que caiu sobre os homens", nada de diferente se deve esperar.
O jornalista em questão por certo que o não ignora e assumiu corajosamente o risco.

O que me parece é que vai sendo tempo de se exercer uma fortíssima pressão internacional para que práticas "justiceiras" medonhas como esta e outras, como a condenação à morte por apedrejamento, terminem de vez.
Não há princípio nenhum, religioso ou outro, que possa justificar as aberrações existentes nas leis desses países.

Um abraço naturalmente revoltado.

Amsilva disse...

viva a liberdade de expressão, e o seu uso!!

com governos destes é melhor pensar duas vezes antes de dizer algo, assim teremos a certeza de dizer exactamente o que queremos eheheh

Abraço

Zé Povinho disse...

A intolerância é sempre condenável aqui ou no Afeganistão. A liberdade de expressão pode ser incómoda mas é um direito de que não pretendo abdicar.
Sobre a música, gostei de ouvir o Parafuso.
Abraço do Zé

Ana disse...

Compreendo-te perfeitamente... Mas a verdade é que o problema não existe apenas no Afeganistão! Pelo mundo fora existe censura!
E nós... Bem, nós podemos agradecer o 25 de Abril, porque é graças a ele que hoje podemos expressar-nos livremente!!

Maria disse...

Já está tudo dito. Também me irrito, ao teu lado!!!

Abraço fresquinho

Gi disse...

Como não irritar, indignar com isto e tudo o resto que é fundamentalismo! Erradiquem-se as burkas do pensamento !

Um beijinho

(desculpa só agora retribuir a visita e nem ter respondido ao comentário que me deixaste. Desde há 2 semanas que a disponibilidade em termos de tempo e mental tem sido pouca...)

Rita disse...

E isso nem é o pior, o pior é passarem com um carro por cima do braço de uma crinaça de 8 anos por esta ter sido apanhada a roubar pão. Posso parecer muito radical mas os muçulmanos são todos uma cambada de anormais...
Jokas

Andreia do Flautim disse...

Como é que é possível existir disso!!

Cláudia disse...

Vê lá se não és condenado também...
Parece q estamos na idade média!

Marta disse...

Olha se os politicos deste país fizessem o mesmo? Eras caçado! :)

wind disse...

Tudo o que é fundamentalismo é para denunciar!
Estou contigo nesta irritação!
Beijos

Su disse...

irritada...eu


agora imagina.t lá......só o 1º post eheheheheheh

jocas maradas

herético disse...

e esbracejas muito bem. junto a minha "irritação" à tua...

caditonuno disse...

aqui quase que acontece isso! o que vale é que no fim cai-se na realidade, o que é menos mau...

Paulo disse...

Não devemos nunca calar a nossa revolta e indignação, doa a quem doer. Pouco podemos fazer quanto a esse jornalista... mas temos o direito de ficar irritados contra esses extremistas da treta e contra outros que por aí andam!!!

Crestfallen disse...

Isso acontece devido à impassividade da comunidade internacional.

Nos anos 90, um jovem fugiu do Pakistão por se ter envolvido sentimental e sexualmente com uma rapariga solteira de classe superior à dela. Ele fugiu, pois era um crime.

As autoridades, julgaram a sua irmã pelo crime cometido por ele. A sentença foi ela ser violada por 15 homens escolhidos pelo tribunal.

Após o escândalo ter passado fronteiras, esse 15 homens foram presos, mas o juiz e a lei continuam...

Marco Ferreira disse...

É lamentável que em pleno século XXI ainda existam casos assim.

A liberdade a opinião é um direito.

Devemos todos repudiar este tipo de acções contra a liberdade de opinião.

marinheiroaguadoce a navegar

ALEXIA disse...

confesooooo

já tinhas saudades

venenoooooooooo

MariaTuché disse...

EXTRAORDINÁRIO POST!!

Amigo Belzebu, não posso estar mais de acordo, e apoio e esbracejo e também me irritam estas noticias, vivemos num "munduzinho" de merda, como é que é possivel...

Um beijooooooo

Capitão Merda disse...

Fazes tu muito bem!

Cumprimentos

Vício disse...

felizmente por cá o nosso PM perde causas em prol da escrita livre!

Lu.a disse...

Ganda banda sonora!!! LOL

♥≈Nღdir≈♥ disse...

O tempo tomou conta da minha vontade… corre veloz ao sabor do vento…
Contudo… mesmo num desejo rápido, estou aqui… nem que seja apenas para desejar uma boa semana.
E parto… de novo sem promessas, porque não sei quando me será permitido voltar, fica então a vontade de regressar, um dia destes quando o tempo permitir…
Que fique o meu beijo e que dure pelo momento de ausência no espaço de um até breve.
Nadir

Peter disse...

Tudo vamos consentindo a esses gajos. Há um ditado bem português:

"Qem muito se abaixa, o cu lhe aparece".

Estou farto deles.

Lara disse...

Aqui fica um esbracejar solidário!
E corre-los todos à pedrada pode ser?!
bj

Lusófona disse...

Esses países onde o fanatismo religioso é o poder supremo, são terríveis... Por vezes penso que nunca haverá paz no mundo..

Bjs